Capitule
umdiafunda asked: Capitulenta, lembra de mim? Pois é, vim só pra te dizer que teus textos me dão um nó na garganta. E queria que você soubesse o quanto isso é bom. Abraço!

bom, se você diz que é bom, quem agradece sou eu! um beijo

"Apesar de você carregar um nome forte e marcante nas costas, você não faz jus a ele, Bárbara. Seu nome é lindo, assim como os seus olhos azuis e o batom roxo que você usa com aquela blusa verde de manga cumprida. O problema é que não tem ninguém pra borrar esse teu batom ou rasgar essa tua blusa. E não tem, porque você simplesmente não deixa ter. Quando eu me aproximo, você recua. Quando eu recuo, você se aproxima de forma agressiva como se o mundo girasse em torno da sua pele branca com cheiro de ameixa. Mas não gira, Bárbara. O seu mal é achar que sim. Você reclama que eu saio pra beber, mas acha fofo quando eu te mando mensagem melosa bêbado. Você odeia as minhas roupas, as minhas gírias e a minha forma de pensar, mas fala mal dos garotos certinhos que tem na sua faculdade. Vai entender. Aliás, não vai. Se tem uma coisa que você é péssima em fazer, essa coisa é ir. Não importa com quantos caras diferentes você saia em um mês ou quantos beijam bem em uma noite. Sou eu quem tenho a pegada e a marra que tu precisa pra curar seus medos. E você me odeia por saber disso. Não adianta negar, virar a cara ou ignorar minha chamada perdida. Você nunca vai embora, Bárbara. E eu gosto disso. Gosto de ver o seu orgulho sendo quebrado em pedacinhos minúsculos contra a sua vontade por minha causa. Gosto de ver você urrando, reclamando, xingando deus-e-o-mundo nos meus braços. Não faço questão que você me elogie desde que permaneça aqui, junto. Eu sei te domar e abaixar o teu ego gritante, mas isso te torna frágil e você se esconde. Se esconde atrás de umas poesias baratas e livros grifados, enquanto eu tomo umas cervejas geladas e acabo seis carteiras de cigarro em dois minutos. Você diz que eu tenho medo de amar. E eu tenho, sim. Eu tenho medo de te amar, Bárbara. Você me conhece de tanto, tanto, tanto, que até eu chego a me assustar com isso. O que você talvez não saiba, é que eu também te conheço tanto, tanto, tanto, que talvez a sua auto estima abalada nunca tenha se dado conta disso. Eu sei que a sua bebida preferida é suco de laranja, não vodka. E que você preferiria mil vezes ir pra balada de sandália havaiana do que usar um salto enorme a noite toda. Também sei que, apesar dos textos românticos, sua literatura favorita é a erótica. Suas amigas patricinhas não sabem disso, mas eu sei. E você nunca se deu conta do quanto saber doí. A sua personalidade me mata, mesmo te fazendo viver. Eu te olho canto de olho enquanto você escreve mais um desses seus textos sem pé nem cabeça e penso que, poxa vida, se algum dia eu conseguisse entender o que se passa na sua mente, ou melhor, no seu coração, eu poderia dormir tranquilo. Você, garota, me tira o sono. Com as suas entrelinhas indecifráveis e a sua mudança de humor constante, eu nunca sei o que fazer ou dizer ou sentir. Você é um campo minado, Bárbara. A diferença é que no seu jogo só tem bomba, e eu sou o apostador perdido que sempre morre na primeira jogada. Não importa o quanto eu tente ganhar ou empatar a partida: você sempre se sai vitoriosa e barbariza a minha vida. Acho que este deve ser o verdadeiro significado do seu nome. Vez ou outra, duvido até que você tenha coração. Você consegue ser mais fria do que todas as geleiras existentes nesse planeta. E eu continuo perdido, cego, procurando alguma luz vinda de qualquer direção que não seja a sua. Então eu saio, bebo, beijo algumas menininhas relevantes e volto pra casa. Daí eu sinto a sua falta e tudo começa a girar. Não importa quantas bocas encostem a minha, nenhuma delas é capaz de causar a turbulência que a sua no meu corpo. Eu me sinto um homem vazio longe de você e perto eu me sinto um menino cheio demais pra caber em mim mesmo. Mal sei me equilibrar na balança da minha própria vida, quanto mais equilibrar você e o seu peso de bagagem gigantesca. Eu só queria que você dissesse o que espera de mim, Bárbara. Não sei o que você quer quando me liga às três da manhã pra desabafar sobre um assunto qualquer, depois de ter me ignorado a semana inteira. Você chora por falta de amor, mas não deixa ninguém te amar. Você não me ensina a te amar. Às vezes eu penso que você queria ser salva desse mundo cinza que a sua alma insiste em morar.
O problema é que eu não sei ser o seu super-homem, Bárbara.
E o meu nome ainda é João."

- Capitule, A Resposta.

"Escrever é tão perigoso. Quem já tentou, sabe. Perigo de mexer no que está oculto - oculto em suas raízes submersas em profundidades do mar. Para escrever tenho que me colocar no vazio. Perigo de se render as ciladas das palavras: as palavras que digo escondem outras - quais? Talvez as diga. Escrever é uma pedra lançada no fundo do poço."

- Clarice Lispector. 

(Source: sem-aspas)

instagram

Feliz páscoa, pessoal!

que hoje vocês possam ter a oportunidade que muita gente não tem: comer MUITO chocolate. pros que não gostam, que comam algo que os agradem também. pros religiosos, muita paz! e pra quem não é, também. enfim.
a páscoa tem um significado singular pra cada um, mas acima de tudo eu desejo a vocês muita felicidade e harmonia, na família, na saúde e na amizade, não só hoje como todos os outros dias.
divirtam-se!
um beijo.

É tanto amor transbordando dessa foto que eu não consegui pensar em uma legenda cabível. The sweetest thing to cross my mind, crossed my life. ❤️

É tanto amor transbordando dessa foto que eu não consegui pensar em uma legenda cabível. The sweetest thing to cross my mind, crossed my life. ❤️

"Apesar de você carregar um nome forte e marcante nas costas, você não faz jus a ele, Bárbara. Seu nome é lindo, assim como os seus olhos azuis e o batom roxo que você usa com aquela blusa verde de manga cumprida. O problema é que não tem ninguém pra borrar esse teu batom ou rasgar essa tua blusa. E não tem, porque você simplesmente não deixa ter. Quando eu me aproximo, você recua. Quando eu recuo, você se aproxima de forma agressiva como se o mundo girasse em torno da sua pele branca com cheiro de ameixa. Mas não gira, Bárbara. O seu mal é achar que sim. Você reclama que eu saio pra beber, mas acha fofo quando eu te mando mensagem melosa bêbado. Você odeia as minhas roupas, as minhas gírias e a minha forma de pensar, mas fala mal dos garotos certinhos que tem na sua faculdade. Vai entender. Aliás, não vai. Se tem uma coisa que você é péssima em fazer, essa coisa é ir. Não importa com quantos caras diferentes você saia em um mês ou quantos beijam bem em uma noite. Sou eu quem tenho a pegada e a marra que tu precisa pra curar seus medos. E você me odeia por saber disso. Não adianta negar, virar a cara ou ignorar minha chamada perdida. Você nunca vai embora, Bárbara. E eu gosto disso. Gosto de ver o seu orgulho sendo quebrado em pedacinhos minúsculos contra a sua vontade por minha causa. Gosto de ver você urrando, reclamando, xingando deus-e-o-mundo nos meus braços. Não faço questão que você me elogie desde que permaneça aqui, junto. Eu sei te domar e abaixar o teu ego gritante, mas isso te torna frágil e você se esconde. Se esconde atrás de umas poesias baratas e livros grifados, enquanto eu tomo umas cervejas geladas e acabo seis carteiras de cigarro em dois minutos. Você diz que eu tenho medo de amar. E eu tenho, sim. Eu tenho medo de te amar, Bárbara. Você me conhece de tanto, tanto, tanto, que até eu chego a me assustar com isso. O que você talvez não saiba, é que eu também te conheço tanto, tanto, tanto, que talvez a sua auto estima abalada nunca tenha se dado conta disso. Eu sei que a sua bebida preferida é suco de laranja, não vodka. E que você preferiria mil vezes ir pra balada de sandália havaiana do que usar um salto enorme a noite toda. Também sei que, apesar dos textos românticos, sua literatura favorita é a erótica. Suas amigas patricinhas não sabem disso, mas eu sei. E você nunca se deu conta do quanto saber doí. A sua personalidade me mata, mesmo te fazendo viver. Eu te olho canto de olho enquanto você escreve mais um desses seus textos sem pé nem cabeça e penso que, poxa vida, se algum dia eu conseguisse entender o que se passa na sua mente, ou melhor, no seu coração, eu poderia dormir tranquilo. Você, garota, me tira o sono. Com as suas entrelinhas indecifráveis e a sua mudança de humor constante, eu nunca sei o que fazer ou dizer ou sentir. Você é um campo minado, Bárbara. A diferença é que no seu jogo só tem bomba, e eu sou o apostador perdido que sempre morre na primeira jogada. Não importa o quanto eu tente ganhar ou empatar a partida: você sempre se sai vitoriosa e barbariza a minha vida. Acho que este deve ser o verdadeiro significado do seu nome. Vez ou outra, duvido até que você tenha coração. Você consegue ser mais fria do que todas as geleiras existentes nesse planeta. E eu continuo perdido, cego, procurando alguma luz vinda de qualquer direção que não seja a sua. Então eu saio, bebo, beijo algumas menininhas relevantes e volto pra casa. Daí eu sinto a sua falta e tudo começa a girar. Não importa quantas bocas encostem a minha, nenhuma delas é capaz de causar a turbulência que a sua no meu corpo. Eu me sinto um homem vazio longe de você e perto eu me sinto um menino cheio demais pra caber em mim mesmo. Mal sei me equilibrar na balança da minha própria vida, quanto mais equilibrar você e o seu peso de bagagem gigantesca. Eu só queria que você dissesse o que espera de mim, Bárbara. Não sei o que você quer quando me liga às três da manhã pra desabafar sobre um assunto qualquer, depois de ter me ignorado a semana inteira. Você chora por falta de amor, mas não deixa ninguém te amar. Você não me ensina a te amar. Às vezes eu penso que você queria ser salva desse mundo cinza que a sua alma insiste em morar.
O problema é que eu não sei ser o seu super-homem, Bárbara.
E o meu nome ainda é João."

- Capitule, A Resposta.

"Estaleiro é o lugar onde as pessoas chegam e atracam seus barcos apenas enquanto eles precisam de conserto, depois voltam e os retiram de lá e, o mecânica naval é quem faz todo o trabalho árduo, pro barco funcionar novamente, pra depois liberá-los pra partir com os seus donos. Na minha vida é mais ou menos assim e por isso ela poderia ser perfeitamente comparada à um estaleiro e eu, à um mecânico naval. As pessoas chegam com o coração magoado e eu me prontifico à cuidar, dou o meu melhor até que o coração esteja totalmente recuperado. Aí vem a parte difícil. Uma vez que seus corações estão sarados, às pessoas que só se aproximaram porque precisavam de cuidados, logo vão embora e eu, como a boa mecânica naval que sou, nada posso fazer além de vê-los ir."

- Gerberiar

"Mas se tiver que me deixar,
Vai me deixando devagar,
Deixa eu me acostumar com a sua ausência."

"Tenho medo das minhas esperanças serem apenas um erro de interpretação dos seus movimentos."

- Júlia Valim 

"O tempo é um médico para feridas internas quando usado à nosso favor."

- ficando-mais-forte 

(Source: etiopy)

"tô vendendo tempo
vendendo dengo
vendo até meu instrumento
só não vendo minha alma
porque já nem tenho
sou junto e sou sozinho
como um pequeno passarinho
tô vendendo minha vida
porque já não tenho destino
minha metade se desfez
e a cara metade é só rispidez
tô vendendo amor
que na verdade é dor
porque amor já não tenho
e o que tenho
é todo tormento
tô vendendo meu corpo
quebrado e todo lento
tô vendendo o que me resta
pra vê se te entendo"

- Catharina 

"Veste o teu sorriso e vai viver tua vida, menina."

- Larissa R 

"Se amar é deixar o tempo se perder, então o vazio é um luxo. Sendo assim, o luxo é um paradoxo. Não há luxúria em existir um buraco inerte dentro do peito ou ter a mente forçando-lhe a relembrar o que se foi e não volta mais. Sendo assim um paradoxo, o luxo é uma ironia, é o inferno oculto de qualquer um. Por trás desse maldito conceito do luxo, há um porém tão maligno quanto um câncer em estágio IV.
Desconforto é reviver a despedida duas vezes mais tortuosa. Minto, apenas revivê-la já basta. Seja o que for, estou com meus dias contados. Eu nunca cheguei ao ponto luxuoso do meu vazio e recuperei meu tempo amando. E amor é uma doença prazerosamente dolorosa que invade os meus tecidos de uma forma (in)voluntária. É um abismo. A realidade é que eu -como todo mundo- um dia, vou morrer. E o melhor que posso fazer é fazer de nós uma eternidade nesse intervalo entre a vida e a morte."

- Anoftalmia.